O presidente Jair Bolsonaro inaugurou nesta sexta-feira (14) a obra de pavimentação de um trecho de 51 km da BR-163 que liga Mato Grosso aos portos de Miritituba (PA). Ele afirmou que a conclusão desse trecho da rodovia representa um "momento de alegria" para os moradores da região, após "40 anos de sofrimento".

Bolsonaro relatou que começou a discutir a obra ainda na transição de governo, em 2018, após vencer a eleição. A conclusão do trecho estava entre as prioridades da gestão.

"Governar é eleger prioridades. É também não buscar deixar obras paradas. Não é inventar obra para aparecer para ser reeleito lá na frente", afirmou. "Não estou preocupado com reeleição. A reeleição é algo natural. Se você trabalhar, ela vem."

No discurso, Bolsonaro voltou a criticar o que considera um excesso de demarcação de terras indígenas e quilombolas no país.

"Não demarcamos nos últimos 13 meses uma só terra indígena. Já temos 14% do território nacional demarcado como terra indígena. Criaram uma verdadeira indústria de demarcações", disse.

Bolsonaro citou como exemplo os índios da etnia Parecis, que plantam soja há quase 20 anos, em uma área de mais de 10 mil hectares, na região de Campo Novo do Parecis.

Ele também prometer o aumento na entrega de títulos de terra.
Para o presidente, a política de governos anteriores para questão de demarcações era "equivocada" e atendia "interesses" estrangeiros. "Gostamos, queremos o bem, amamos nossos irmãos índios, a política implementada é totalmente equivocada e atendia aos interesses de outros países."

Segundo Bolsonaro, foi por isso que um "chefe de um grande estado da Europa atirou de modo figurativo" no presidente brasileiro. Ele, no entanto, não citou o nome do presidente da França, Emmanuel Macron, com quem trocou farpas em 2019 sobre a preservação e soberania da Amazônia.

Bolsonaro defendeu a agricultura em terras indígenas e disse que enviou ao Congresso um projeto de lei que regulamenta a mineração e a geração de energia elétrica nessas áreas. O texto abre a possibilidade de as aldeias explorarem as terras em outras atividades, como agricultura e turismo.

"Queremos que nesse projeto, índio tenha o mesmo direito que seu irmão fazendeiro do lado tem. Garimpar, cultivar, arrendar sua terra, se for o caso construir PCHs [Pequenas Centrais Hidrelétricas], construir hidrelétricas. O índio é nosso irmão, estamos buscando integrá-lo a sociedade", discursou.

Durante a cerimônia, Bolsonaro condecorou alguns militares do 8° Batalhão de Engenharia de Construção (8º BEC) que trabalharam na obra.

Fonte: G1MT