Nesta quinta-feira (25), o presidente Jair Bolsonaro disse que o auxílio emergencial será prorrogado por mais três meses. Com isso, Bolsonaro confirmou avaliações da equipe econômica sobre o auxílio emergencial.

Segundo Bolsonaro, o auxílio deve ser reduzido gradualmente. As parcelas serão de R$ 500, R$ 400 e R$ 300. Depois disso, o pagamento do auxílio emergencial deve ser cortado.

No entanto, há pressão para que o governo mantenha o auxílio emergencial de R$ 600 até dezembro, quando termina o período de calamidade pública decretado em março, por conta da pandemia de Covid-19.

O Movimento Renda Básica que Queremos, por exemplo, tem pressionado senadores e deputados a aprovar mudanças na lei do auxílio emergencial e a mantê-lo até o fim do ano.

Fonte: folhamax