Dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), divulgados na terça-feira (14), apontam que as exportações de carne bovina aumentaram quase 22%, em 2019. De acordo com o Instituto Mato-grossense da Carne (Imac), o aumento se deve à abertura do mercado chinês à carne produzida no estado.

No total, foram produzidas 428,11 mil toneladas, um incremento de 21,89% em comparação com 2018. . A média mensal do que foi exportado para o bloco formado por China e Hong Kong foi a que mais aumentou. Foi 34,54%, em relação ao ano anterior.

Esse grupo foi responsável pela importação de 157 mil toneladas, ficando à frente dos países do Oriente Médio, que somaram 153 mil toneladas.

Além das vendas externas terem se ampliado, o rebanho também cresceu cerca de 11%, alcançando o número de 30,34 milhões de cabeças de gado.

A região norte permanece com o maior rebanho dentro do estado, com 5,55 milhões de cabeças. Isso representa 18,29% do total estadual. Entretanto, os municípios da região centro-sul ampliaram o número de cabeças em 122,19%, chegando a 4,56 milhões de animais.

Em 2019, foram abatidos 5,6 milhões de cabeças de gado, um desempenho 5,24% superior ao registrado no ano anterior. A região com maior volume de abate foi a oeste, com 1,23 milhões de animais. Na sequência vem o sudeste, com aproximadamente 1 milhão de abates.

No entanto, a região Noroeste foi a que apresentou maior aumento no número de abates, com uma média mensal de 14,67%.

Fonte: folhamax.com.br