A Polícia Militar divulgou a foto do ex-cabo da PM Helbert de França Silva, que fugiu do Batalhão da Ronda Ostensiva Tático Móvel (Rotam), no bairro Dom Aquino, em Cuiabá, no último dia 6. Ele foi alvo da operação “Mercenários” e condenado a 105 anos de prisão.


 

A Polícia Militar divulgou um cartaz feito pelo Serviço de Inteligência da PM nos grupos de WhatsApp de Mato Grosso e de outros Estados. As equipes continuam fazendo diligências para tentar localizar Helbert.

Equipes da PM realizaram diligências internas no quartel Rotam, em áreas do entorno, endereços de parentes e outros locais sem que o ex-militar fosse localizado. Em seguida o comando da unidade formalizou comunicado da fuga ao Comando Geral.
 
O ocorrido foi formalizado na segunda-feira (07) à 1ª Vara Criminal de Cuiabá. Apenado pela Justiça e expulso da PM em ato publicado na semana passada, o ex-cabo permanecia recolhido na unidade por conta de determinação judicial, após recurso interposto por sua defesa.
 
A fuga está sendo apurada por meio de uma sindicância instaurada pelo comando do Batalhão Rotam cuja tramitação tem o acompanhamento da Corregedoria Geral da PMMT.

Operação ‘Mercenários’ - Fase 1
 
A ‘Operação Mercenários’, deflagrada na terça-feira (26), prendeu 17 pessoas acusadas de formar um suposto ‘grupo de extermínio’. Entre os detidos estão seis policiais militares e seis vigilantes. Ao todo, eles teriam participado de ao menos cinco homicídios entre os meses de março e abril de 2016. Todos os militares presos são lotados junto ao Comando Regional II (Várzea Grande).
 
A maioria das ordens de prisão foram cumpridas no bairro Cristo Rei, alvo de inúmeros crimes que possuem o mesmo modo de atuação, homens encapuzados que chegam em veículos e disparam. Normalmente, as vítimas são homens e com idade entre 18 e 25 anos e têm passagens pela polícia.

Operação 'Mercenários' - Fase 2

Policiais militares são alvos da 2ª fase da Operação Mercenários deflagrada na manhã desta segunda-feira, 20 de fevereiro. Ao todo estão sendo cumpridos 21 mandados de prisão preventiva, 3 buscas domiciliares e 2 conduções coercitivas. Operação é um desdobramento das investigações de homicídios praticados em Várzea Grande nos meses de março e abril de 2016.

A operação foi deflagrada pela Polícia Judiciária Civil e conta com o apoio da Corregedoria da Polícia Militar. Os mandados de prisão foram expedidos pela 1ª Vara Criminal de Várzea Grande contra dez pessoas, das quais quatro são policiais

Fonte: Olhar Direto - Thaís Fávaro