O PSL deverá sofrer um verdadeiro esvaziamento de filiados em Mato Grosso após a criação do Aliança pelo Brasil, partido que está sendo fundado pelo presidente Jair Bolsonaro. Dos 5,7 mil filiados que o PSL possui no Estado, pelo menos 5 mil deverão migrar para a nova sigla. A perspectiva do presidente é que o Aliança esteja apto para estrear nas eleições municipais, em outubro.
Mas caso não esteja, os pretensos candidatos a prefeito e vereador que estão no PSL estão sendo orientados a permanecer no partido até as eleições, e depois, se eleitos migrarem para o Aliança.

Uma fonte ouvida pelo RD News , que tem liderado as articulações da Aliança no Estado diz acreditar que até março, o partido já esteja legalmente constituído e, com isso, cumprir os requisitos de habilitação para participar da campanha eleitoral deste ano.

Senado

Enquanto as eleições municipais estão basicamente pacificadas em relação aos virtuais candidatos que ainda estão no PSL, o mesmo não acontece quando o assunto é eleição suplementar ao Senado, para substituir a senadora cassada Selma Arruda, que foi eleita pelo PSL, mas que após desentendimento interno na sigla, migrou para o Podemos.

Dentre os que querem disputar a eleição ao Senado pelo PSL está o deputado federal Nelson Barbudo. O parlamentar tem se manifestado como pretenso candidato, mas sua posição em relação a sair do PSL é mau avaliada por muitos membros do partido.

Barbudo tem sido taxado como oportunista por parte de seus correligionários. Primeiro porque declara ser fiel a Bolsonaro, e com isso, demonstra intenção de se filiar ao Aliança. Por outro lado, ao mesmo tempo em que sinaliza sair do PSL, só tem a possibilidade de concorrer à vaga ao Senado se permanecer na sigla.

O deputado federal chegou a ser orientado por um de seus correligionários a deixar a presidência do PSL, em Mato Grosso, e permanecer apenas como filiado. Mas, o deputado está apegado ao cargo e demonstra resistência em abrir da função apenas como demonstração de dedicação ao devocionismo que possui por Bolsonaro.

Diante da dúbia postura do parlamentar, outro nome ligado ao PSL é que tem sido chamado para liderar as articulações da Aliança em Mato Grosso, entre as quais o primeiro encontro estadual da sigla que será realizado em fevereiro, em Cuiabá, com a presença do presidente Jair Bolsonaro.

Fonte: rdnews