Em Mato Grosso, 114 policiais civis e militares pediram afastamento das funções para concorrer nas eleições deste ano, que serão realizadas no dia 15 de novembro. 

 A maioria irá se candidatar aos cargos de prefeito e vereador, com exceção da tenente-coronel Rubia Fernanda Siqueira (Patriota), que vai tentar uma vaga no Senado.

 Levantamento do Governo do Estado aponta que, ao todo, 52 PMs e 62 policiais civis se afastaram do trabalho com o sonho de ingressar na política. 

O número de policiais civis afastados aumentou em relação a 2016, quando apenas 25 concorreram nas urnas. A reportagem solicitou à PM os dados daquele ano, mas não há dados disponíveis.

 Na PM, pediram afastamento 46 praças - dentre eles 34 sargentos, quatro cabos e oito subtenentes - e sete oficiais (dois tenentes, um major e três tenentes-coronéis).

 Além de Rúbia, devem encarar as urnas os tenentes-coronéis Marcos Eduardo Ticianel Paccola e Wilson Martins.

 Já na Polícia Civil, 62 solicitaram afastamento para atividade política, sendo quatro delegados, quatro escrivães e 54 investigadores. 

 Entre os policiais civis que são pré-candidatos está Adilson Gonçalves (PSD), que irá disputar a Prefeitura de Barra do Garças (a 520 km de Cuiabá), onde ocupou o cargo de delegado regional. O seu nome deverá ser lançado pelo partido na convenção que será realizada na terça-feira (15).

 Ele, que há 22 anos atua como delegado e já havia trabalhado por 12 anos como investigador em Goiás, disse ao MidiaNews que decidiu se lançar na política após ver a aprovação do seu nome pela população.

 "Meu nome teve uma boa aceitação por todos os segmentos em razão do trabalho preventivo que fizemos aqui", afirmou.

 O delegado Sérgio Ribeiro (PSL), atual suplente de deputado estadual, também confirmou seu nome como pré-candidato à Prefeitura de Sinop (a 479 km de Cuiabá). Em 2016, ele recebeu 13.207 em todo Mato Grosso, sendo 5.950 votos somente em Sinop.

Fonte: Midia News