Perícia revelada no celular do ex-secretário de Segurança Pública de Mato Grosso, Rogers Elizandro Jarbas, revela uma tentativa de interferência nas investigações da Grampolândia Pantaneira, bem como outros casos de corrupção que surgiram na gestão do ex-governador Pedro Taques (Solidariedade). O celular de Jarbas foi apreendido na Operação Esdras, deflagrada em setembro de 2017.

Reportagem exibida pelo MTTV 2ª Edição (TV Centro América) exibiu mensagens trocadas entre o ex-secretário de Segurança com duas pessoas também investigadas no caso dos grampos. De acordo com a perícia, diálogos deixam claro que o ex-secretário tinha a responsabilidade de "blindar" os integrantes do governo passado e de tentar atrapalhar as investigações das interceptações ilegais.
Uma delas foi com a personal trainner Hellen Lesco, esposa do ex-secretário da Casa Militar, Evandro Alexandre Lesco. Em 28 de julho de 2017, Hellen fez uma ligação pelo aplicativo ao então secretário de Segurança. Pouco depois, mandou uma mensagem com um pedido desesperado. "Pelo amor de Deus, não deixe isso acontecer", implorou.

A Polícia Civil acredita que o diálogo é referência a uma possível transferência do coronel para o presídio federal de Campo Grande. "No mesmo dia dessa conversa, o desembargador Orlando Perri determinou a transferência dos réus do caso dos grampos para presídio de segurança máxima", diz a reportagem, lembrando que Lesco não chegou a ser transferido porque não abriram vagas no presídio federal de Campo Grande.

Já em agosto, Hellen conta a Jarbas que um delegado - possivelmente Flávio Stringuetta -, esteve em sua casa para fazer perguntas. "Não responda ao Flávio", afirmou Rogers.

DETRAN

Outro diálogo de Rogers ocorreu com o ex-secretário da Casa Civil, Paulo Taques. Com ele, a conversa envolveu outra fraude: esquemas no Detran de Mato Grosso.

"Estou resgatando na memória alguns fatos que considero relevantes. Como foi a conversa com [Mauro] Zaque, [Fábio] Galindo e você, sobre a suspeita a meu respeito no Detran", questionou Paulo Taques, em 12 de julho de 2017.

Rogers respondeu com uma imagem de uma reportagem sobre o possível envolvimento de Paulo em fraudes no Detran. "Meu amigo, precisamos retirar no site", alertou.

O ex-secretário de Segurança ainda sugeriu ao advogado que processe a delegada responsável pela investigação. Segundo ele, a policial teria feito isso de forma intencional.

Paulo Taques foi preso em 2018 pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado) acusado de receber propina de R$ 2 milhões em contrato no Departamento Estadual de Trânsito.

Fonte: folhamax